quarta-feira, 14 de julho de 2010

Corpo versus Modelagem. Qual o seu real tamanho?

Quantos brasileiros sabem que tamanho de roupa veste? É muito comum o tamanho 40 de uma marca equivaler ao 42 em outra. Mesmo sem ter engordado ou perdido um grama, a numeração na mesma loja muda. Os tamanhos nas etiquetas não significam nada.
E não é por falta de visão ou consciência corporal, mas de padronização das medidas do vestuário.
Estudos mostram que corpo da maioria das mulheres é curvilíneo e que para ser magra como as modelos que vemos todos os dias em revistas só mesmo “passando fome” e que a tendência universal é o aumento progressivo das medidas, principalmente a cintura. Isso se deve a influencia da diversidade étnica e da mudança nos hábitos alimentares – hoje menos saudáveis.
A cintura da mulher inglesa, por exemplo, expandiu 16 centímetros desde a década de 50; a francesa, em trinta anos, ganhou dois quilos e ficou dois centímetros mais alta saindo do tamanho 38 para o 40; nos Estados Unidos dos anos 40, 90% da população feminina tinham uma forma de corpo que lembravam uma ampulheta e hoje só 8% se enquadram neste formato de corpo e 46% tem corpo retangular (existem poucos centímetros de diferença entre busto, cintura e quadril), ou seja, a cintura inchou. Com o mesmo tipo de equipamento usado nos países citados, iniciou no Brasil o estudo das medidas antropométricas do brasileiro.

O Body Scanner é uma cabine cheia de luzes e sons que em 20 segundos capta com precisão 100 medidas do corpo humano e passa automaticamente os dados para um computador que em seguida exibe formas em modelo tridimensional. No Brasil, com tanta miscigenação, fica ainda mais complicado criar um padrão. No sul as medidas são mais européias já no norte as pessoas têm um porte mais indígena. Mais de 10 mil pessoas em todo o Brasil serão escolhidas aleatoriamente não importando sexo, altura e peso. A única restrição é que as pessoas medidas deverão ter entre 18 e 70 anos.
O efeito prático da descoberta de novo padrão do corpo feminino é melhorar o caimento das roupas. A falta de padronização não apenas confunde o consumidor, mas faz crer que a moda é só para tamanhos pequenos.
Em breve não precisaremos provar várias roupas do mesmo modelo para saber qual manequim naquela loja é o que veste melhor. Além do que, poderemos comprar roupas pela Internet sem ter a duvida se vai ficar bem ou não porque saberemos o nosso real tamanho.

Izabel Carvalho. Sociologa e pós graduada em Design de Moda (UFPE)

3 comentários:

insanidade natural disse...

Muito interessante!

Está mais do que na hora de uma pesquisa na modelagem nacional, existem marcas que o 40 parece equivaler o 36...e lá vamos nós...nos sentindo imensas e disformes.
Nos resta torcer que a tecnologia não apenas exista, mas que nos beneficie verdadeiramente.

Um beijão
NARINHA

Eliane disse...

Tudo o que é novidade, é bom procurar conhecer mais...O Body Scanner será excelente, principalmente para as industrias que poderão melhorar a sua qualidade...
Mas, ressalto que em algum detalhe as mulheres são diferentes umas das outras... e nada como uma roupa feita de acordo com o seu proprio corpo para cair perfeito num corpo feminino, notadamente.
Quanto ao aumento das medidas, principalmnete na cintura, eu diria que não se deve apenas à alimentação nada saudável do momento... mas também à propria moda. Exemplificando: são terríveis as calças de cintura baixa que até estimulam ao aparecimento de novos "pneus" nos corpos femininos....
Mas, como sempre, voce nos dá, em tempo curto, os avanços da moda no mundo.... e seria interessante depois se divulgar quanto foi o aumento da cintura feminina brasileira no decorrer das últimas 5 ou 6 dácadas.... Será que superaremos as inglesas?
Eliane Andrade Neves Baptista - 24 de julho de 2010.

Casa 208 Cursos de Moda disse...

Eliane, sabe que o Brasil não simpatiza muito com estatísticas. Exceto, claro, em campanhas eleitorais direta ou indiretamente.E que são muito pouco confiáveis e bastante tendenciosas.
Porém, muito já se avançou no que diz respeito a industria da moda no Brasil.
Concordo que uma roupa sob medida e autoral vale muito mais. Acho que caminhamos, também, mesmo que a passos lentos,a valorização do produto artesnal (o produto feito manualmente).Assim é na Alta Costura.